Artigos

Disautonomia em cães e gatos

 

O sistema nervoso autônomo é responsável pelo controle de funções que independem da nossa vontade, como a pressão arterial, temperatura do corpo, respiração, circulação sanguínea, batimentos cardíacos, digestão. Disautonomia é um distúrbio do sistema nervoso autônomo quando um desequilíbrio do sistema simpático/parassimpático afeta as funções involuntárias.

Gatos podem nascer sem dentes?

O nascimento de gatos com anormalidades no número de dentes não é um fenômeno comum e pode envolver a oligodontia, a anodontia e a existência de dentes supranumerários. Estas patologias congênitas surgem durante o período crítico do desenvolvimento do embrião, quando os genes sintetizam as proteínas que irão interagir para iniciar a odontogênese.

Entrópio nos cães

O entrópio é uma rotação interna da pálpebra (mais comumente a pálpebra inferior) em que o epitélio roça a superfície ocular, ocasionando irritação com hiperemia, intenso prurido e ulcerações conjuntivais podendo, inclusive, causar deficiência visual.

As formas mais comuns de entrópio em cães são: a genética, a cicatricial e a senil.

Aborto precoce em Cadelas associado a intersexualidade

É vasta a literatura sobre a morte embrionária precoce que, na maioria das vezes, está associada a alterações numéricas e estruturais em cromossomos. Entretanto o artigo escrito por Vicki N. Meyers-Wallen e cols. (2017), traz uma interessante ocorrência de mortalidade precoce em cadelas de raças puras a partir de um estudo sobre intersexualidade em cadelas.

A CCR Nova Dutra apoia campanha do CRMVSP contra o abandono de animais domésticos

O Conselho de Medicina Veterinária de São Paulo, preocupado com a situação de cães e gatos errantes no estado, promove a campanha: 'Quando a gente gosta é claro que a gente cuida'; que busca conscientizar as pessoas sobre a necessidade do “cuidar” dos animais de estimação e, principalmente, sobre as consequências do seu abandono.

O Meu gato tinha Astenia cutânea

Os Veterinários que cuidaram do meu gatinho nunca haviam tido contato com esta doença e o diagnóstico veio em função da condição da pele, elástica e frágil, facilitando a ocorrência de machucados que viravam fendas enormes. O Gatinho se coçava e, ao menor aranhão, abria feridas. As lacerações e ferimentos se tornavam eventos graves, inclusive com acúmulo de sangue.

Principais parasitos intestinais do cachorro

Os parasitos intestinais mais comuns do cachorro são os helmintos Toxocara canis, Ancylostoma caninum e o Dipylidiuim caninum. Os dois primeiros são denominados nematoides e possuem o corpo alongado e cilíndrico e popularmente são conhecidos como vermes redondos. Já o Dipylidiuim caninum, denominados de cestódeos, são conhecidos como vermes chatos pois possuem o corpo achatado e segmentado. Popularmente conhecidos como vermes, esses helmintos são de grande importância, tanto para a saúde dos animais – todas as três espécies - como para a saúde pública – no caso das duas espécies de nematódeos, visto que provocam importantes zoonoses. 

A doença Alfa-manosidose em Gatos

A alfa-manosidose é uma doença bioquímica que compõe um grupo de doenças genéticas conhecidas como doenças do armazenamento lisossômico. Os lisossomos são organelas repletas de enzimas digestivas presentes no citoplasma da maioria das células eucariontes. Esse conjunto de enzimas são responsáveis por toda a digestão intracelular e mutações que venham a alterar a estrutura molecular dessas enzimas ocasionam patologias específicas, por acúmulo de substâncias tóxicas no interior das células. 

A agressividade em cães é um comportamento genético?

Independentemente desses estudos sabemos que o modelo genético do comportamento animal é complexo e influenciado pela interação entre genes e pelo meio, não seguindo um padrão mendeliano simples de herança. O fato dos estudos detectarem alta herdabilidade para o caráter agressividade canina, sugere que somos capazes de obter linhagens menos agressiva aplicando os modelos de seleção adequados.

Criptorquidia em cães

Em geral o diagnóstico clínico do criptorquidismo canino se dá quando os cães são rotineiramente examinados para as primeiras vacinações. Nestes casos, independentemente do animal ser uni ou bilateral, a orientação é sempre a remoção dos testículos visto que além do risco muito aumentado de câncer no testículo ectópico a retirada das gônadas evita a transmissão dos componentes genéticos para as gerações futuras. 

Displasia Coxofemoral em cães

A displasia coxofemoral canina é uma doença de observação comum na Medicina veterinária que afeta diferentes raças e cruzamentos. Ao longo de anos de estudos sobre essa patologia concluiu-se, sem dúvida alguma, que a displasia coxofemural nos cães é uma doença familiar - portanto com clara implicações genéticas – entretanto, também sabemos que a displasia coxofemoral náo é devida a ação de apenas um ou dois pares de genes, sendo um exemplo clássico de uma patologia multifatorial. Nesses casos o fenótipo patológico é fruto de uma intricada rede de interações entre genes e entre os genes e o fatores de ambiente. 

Mutirões de castração são capazes de controlar a população de cães e gatos errantes?

É bastante comum os municípios buscarem o controle populacional de animais de rua através de projetos de mutirão de castração. Mas essa estratégia de controle da natalidade, por si só, é capaz de dar conta do problema de controlar a população de cães e gatos errantes? A população de animais de rua tem diminuído ao longo do tempo com a utilização dos mutirões? A quem mais interessa os projetos de mutirão de castração nos moldes que estão sendo realizados?

Projetos de Leis querem proibir a venda de animais pela internet e até em petshops e clínicas veterinárias.

Na contra mão do sentimento majoritário da sociedade vemos, infelizmente, que alguns juízes entendem não ser necessária a presença do médico veterinário nos estabelecimento que comercializam produtos e animais. De forma que, se esta postura jurídica vencer, estaremo,s em breve, perguntando-nos: os programas de imunização dos animais domésticos comercializados “online” e em petshops estão de acordo com o preconizado para a espécie? Existem certificados de saúde emitidos por médicos veterinários nestas situações? Quem está garantindo à sociedade que estão sendo obedecidos os princípios estabelecidos por normas, resoluções e leis que buscam garantir a saúde e o bem-estar dos animais e da população humana? 

Páginas

Artigos