Text Resize

-A +A

Como prevenir e tratar o câncer de mama em pets

  • Postado em: 4 October 2018
  • Por: busquepets

"Sabemos que as células cancerígenas crescem numa velocidade muito maior do que aquelas normais. Logo, no câncer, haverá um número muito maior de células cancerígenas em mitose do que células normais. Sabemos também que no processo de divisão celular a a membrana nuclear sempre desaparece, deixando o DNA nuclear exposto e vulnerável. 

Baseado nisso é que os tratamentos com Quimioterapia e radioperapia são utilizados pois, com o DNA nuclear exposto, eles danificam o DNA e destroem as células em divisão. Evidentemente que os tratamentos destroem um maior número de células cancerígenas, pois como elas estão se dividindo em maior velocidade, são mais numerosas. Contudo, as células normais que também estejam no processo de divisão celular, serão igualmente destruídas. Isso explica os efeitos colaterias dos tratamentos."(busquepets)

 

Autor: Target SP

O movimento Outubro Rosa também ajuda a alertar sobre o câncer de mama nos pets. Estima-se que a incidência em cadelas seja de 45%, e que aproximadamente 30% das gatas sejam diagnosticadas com a doença, segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária. Uma das razões para o problema em cadelas é a suscetibilidade às alterações hormonais. 'Por isso, o ideal é que elas sejam castradas antes mesmo do primeiro cio. Assim conseguimos prevenir a neoplasia mamária em cerca de 90% dos casos', afirma a veterinária Karina Mussolino, gerente de clínicas da Petz.

O procedimento também diminui os riscos do desenvolvimento do câncer de útero e da piometra, uma grave infecção uterina que costuma afetar muitas fêmeas não castradas. Outra medida importante de prevenção é a visita semestral ao veterinário. 'O check-up pode ajudar no diagnóstico precoce da doença, o que possibilita o melhor resultado do tratamento, maior chance de cura e recuperação', orienta a veterinária. Ao notar qualquer carocinho ou nódulo, é fundamental levar o pet ao veterinário.

Foi o que ocorreu com a cachorrinha da médica Paula Rubia de Lucca, cliente da Petz. 'Durante um banho habitual, a funcionária do setor de estética notou um nódulo na mama e me avisou. Isso ajudou que o diagnóstico fosse feito logo no início, para a melhor recuperação da pet, que passou por cirurgia', conta Paula.

Para confirmar o diagnóstico, o veterinário poderá pedir antes um exame citológico do tumor (punção com agulha fina) e, para definir o grau e se é maligno e benigno, costuma-se fazer o histopatológico (enviar o fragmento removido durante a cirurgia para análise). 'Dependendo do tipo do câncer, o tratamento pode ser realizado com cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou eletroquimioterapia. Mas a cirurgia e a quimioterapia são os meios de tratamento mais utilizados', informa a Dra. Karina.

Apesar de a quimioterapia ter efeitos colaterais nos animais (como náusea, apatia e perda de peso, entre outros), o sofrimento deles pelo que observamos é menor que o dos seres humanos que passam por esse tipo de tratamento.

1 - Caroço na região das mamas.

2 - Inchaço.

3 - Dor.

4 - Secreção.

5 - Odor desagradável.

6 - Feridas.

7 - Falta de apetite.

8 - Vômito.

9 - Apatia.

Comentários

Rosely Jardim ...

Muito importante essa matéria para alertar os tutores de para.

seg, 08/10/2018 - 04:53
busquepets Verdade Rosely. Quanto mais informação melhor
seg, 17/12/2018 - 13:02
CAPTCHA
Esta ferramenta é para testar se você é um visitante humano e evitar submissões automatizadas de spam. (Marque a caixa abaixo)